A Euterpia

Sono de Milus

A Euterpia
Ela hiberna e eu caminho
E enquanto não nos encontramos
O que resta é a bagaceira
Canseira de fel e solidão
Em plena multidão
Dança, que agora eu vou beijar
Canta, e vem me sussurrar
A tua paria me pega
A tua saia me cega
Então abre ela pro veneno circular
O teu busto de mármore
Teu umbigo de vidro
Tua púbis ouriçada
Tuas pernas cruzadas
Na minha nuca