A Euterpia

Suma de Ti

A Euterpia
Suma de ti
Pobre cavalo de pêlos dourados
Derrube as grades que insistem
A condenar-te dentro de ti

Cuidado com as águas enferrujadas!
Que mentirosamente apresentam poderosas venturas

Penetre apenas caro ser quadrúpede
Ao que representa ao que representa o passado do fim

Mesmo não encontrando
Não deleite ao som natural
Soprando infinito ocular

Insiste em fugir
Do preço, do terço, do terço mundano

Construa tua luzes, reluzes sobre mistos de poesia
Conte as pedras da magia do mago vadio
Pratique a pratica dos eméritos praticantes
Idealize listras lisas
De peixes sadios, do fundo do poço

Contenha o riso mentiroso, sarcástico e plástico
Conduzindo os pequenos duqueses
Ao seu palácio de marfim.