Gabriel Silveira

Fome de Viver

Gabriel Silveira
Engoli o suspiro
Comi um sonho inteiro
Indigestão da saudade...
Vomitei a vontade
Bebi toda a palavra amor
Enquanto digeria a paixão

Alimentei-me de estar só, por aqui
Corri para ver o Sol se pôr, saboreei
Por ali um delicioso caqui
Que de maduro caí

Inventando dança de criança
Engoli o choro
Engasguei sem dor nem dó
Regue-me lá n'água da fonte
Onde a carne esconde
Alma, cante o pão de cada dia.