Gabriel Silveira

Malandro Sem Direção

Gabriel Silveira
Eu tentei, mas você não deixou caminhos
Um malandro sem direção
Com tristeza, sem ilusão
Por isso hoje sigo tão sozinho

Tido como pobre, vagabundo
O poço da minh'alma é profundo
Do fardo de viver como menestrel
Na arte de sofrer já sou bacharel
Vambora chegou a hora
De jogar todo esse peso fora
De jogar todo esse peso fora

O passado você não abandonou ainda
Relembrando o que nem começou
Acusou, sequer provou
Do inverno em que meu coração passou

Eu tentei, mas você não deixou caminhos
Um malandro sem direção
Com tristeza, sem ilusão
Por isso hoje sigo tão sozinho

Tido como pobre, vagabundo
Quisera houvesse paz nesse mundo
Tem algo que você não entendeu
Quem vive de passado na certa é museu
Vambora chegou a hora
De jogar toda antiguidade fora
De jogar toda antiguidade fora

O passado você não abandonou ainda
Relembrando o que nem começou
Acusou, sequer provou
Do inverno em que meu coração passou

Eu tentei, mas você não deixou caminhos
Um malandro sem direção
Com tristeza, sem ilusão
Por isso hoje sigo tão sozinho
Por isso hoje vivo tão sozinho
Por isso hoje eu brindo sozinho